Life

Resistant 15 – A meia Indestrutível (pensam eles).

2 Janeiro, 2017

20170102_115742

Esta é daquelas histórias que adoro contar, quando as promessas das coisas fabulosas que os produtos fazem não passam de mais do que isso, histórias. Desta vez venho falar-vos da minha experiência com a nova geração de collants de vidro da Calzedonia que prometem ser mais resistentes a tudo e mais alguma coisa. Pelo preço que custam, coisa pouca de 10€ por par, seria de esperar que a promessa fosse mesmo real e que o nosso dinheiro não fosse parar ao caixote do lixo com um rasgão de cima a baixo.

A minha história começa no dia em que me lembro de comprar meias de vidro para usar com os vestidos que tinha planeados para a altura Natal e me dirijo a uma loja Calzedonia a pedir as meias mais simples de todas, acabando assim por pedir as mesmas em 3 cores, azuis, pretas e naturais, sem nunca me lembrar de perguntar o preço, assumindo algo como 5 ou 6 euros por cada par de collants. Chego à caixa e a menina muito sorridente me pede 30€ euros pela conta final, confesso que apenas as trouxe por pura vergonha de voltar atrás na decisão, mas garanto-vos que jamais volto a dar tanto dinheiro por uma mera promessa de duração de um par de meias. Por muito boas que sejam.

Resumindo, dos 3 pares que usei, já só existe apenas 1, e parece-me que apenas existe porque ainda não foi usado e permanece seguro dentro da embalagem.  Pois então, as collants de cor natural acabam por se rasgar ao mínimo encosto de um animal de porte pequeno, fazendo um buraco no joelho e as de collants cor preta ficam com um rasgão na zona do bumbum assim que as visto, e não me venham cá com coisas que as unhas estavam bem limadas e tratadas, sem peles secas que pudessem rasgar as ditas da maneira que estavam. Portanto, a promessa de mais resistentes passa apenas por vender um par de meias a um preço muito mais elevado, até porque me lembro de ter aqui em casa um par de collants normalíssimos que acabei por comprar numa loja do chinês e que após 7 utilizações ainda estavam vivas para contar a história. Uma coisa eu acabei por notar, e que talvez seja então a diferença que se possa constatar nestas meias a preço do Inferno, é que após os rasgões e buracos, as mesmas não se desfizeram até ás costuras, ficando assim com um buraco apenas, sem continuações como acontece normalmente em que rasgamos uma meia cá em cima e no fim do dia o rasgão continua até aos pés.

Conclusão disto tudo, deixem lá de comprar as meias a preço do ouro porque o resultado é o mesmo ou pior ainda. No meu caso foi assim. Não compensa e não se justifica.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.