Life

Os dias produtivos que nos tiram do sério.

4 Maio, 2017

Antes de começar, quero apenas dizer que as palavras que vão ler por aqui, não são bem aquilo me apetecia transmitir, mas uma vez que o blog é publico e maior parte das pessoas até sabe quem eu sou, apenas vou explicar o meu nível de exaustão. São agora coisa de 11 horas da noite e com o cansaço que tenho no corpo e na mente seria de esperar que vos estivesse a escrever, bem posicionada na minha querida cama, pronta para desligar o computador, mas não. Ainda me encontro com a roupa do dia-a-dia, ainda maquilhada, com o quarto cheio de bonecos espalhados por todos os cantos (que o Bucky fez questão de espalhar e adormecer de seguida, como se tencionasse que fosse eu a arrumar tudo), e com uma secretária cheia de papeis para categorizar e deitar fora e mil e uma coisas para fazer.

O motivo do meu cansaço, tal como toda a gente que mantenha um trabalho, são culpa das minhas tarefas profissionais, ou melhor ainda, as tarefas profissionais que acabam por não ser do meu nível de “capacidades”, mas que ainda assim me passam pelas mãos. E por mais bem feitas que as coisas fiquem quando finalizadas, por vezes o animo é muito pouco e o espírito esmorece. Não levem a mal, porque até se tornou num bom dia, visto que cheguei a casa, com um excelente e saudável jantar à espera, uma encomenda de pincéis de maquilhagem há porta e um Bucky imensamente bem disposto a querer nada mais do que brincadeira. Sim, quando cheguei a casa as coisas boas invadiram-me o coração, mas a minha mente continua presa dentro das paredes do trabalho, onde a pressão é imensa e o trabalho parece sempre dificultar. Continuam a haver dias bons e positivos onde tudo é feito da melhor maneira e tudo fica orientado (assim como hoje), mas nem os dias melhores me deixam mais bem disposta.

Hoje foi mais um dia produtivo, tudo correu bem dentro dos possíveis e de acordo com as advertências que foram ocorrendo, a minha simpatia até era notória e a vontade de vender bons produtos a bons clientes também. Mas mesmo com toda a produtividade, o resultado é o mesmo: um estado de espírito pensativo e sem grandes vontades para sorrir. E por hoje é isto. É o máximo que se consegue. E ainda tenho uma bagunça de brinquedos caninos e uma bagunça espiritual para arrumar.

  1. Como te compreendo minha querida…

    Tenho vindo a sentir isso, mais e mais.
    E as férias, que acabaram na semana passada, ainda me abriram “mais os olhos”.

    Beijinho e força***

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.