Life

Coisas boas que se encontram na internet

18 Fevereiro, 2016

No pouco tempo semi-livre que tive hoje, deparei-me com um artigo no facebook que achei do mais interessante que se podia ler e que sinceramente não ajuda em nada o meu estado de espírito dos últimos tempos, mas que faz todo o sentido.

O artigo fala do desperdício de grandes mentes inteligentes por parte das empresas e na maneira como isso acontece sucessivamente e o porquê de acontecer. São 6 tópicos escritos por Eduardo Carmello, diretor da Entheusiasmos Consultoria em Talentos Humanos, e que pode por muita gente a pensar sobre isto mesmo.

Não vos vou tentar passar a mensagem por palavras próprias, até porque o texto escrito por Eduardo está exactamente no ponto assim como está. E por isso mesmo fiz uma pequena cópia desses mesmos pontos que espero eu, vos façam ver o quanto vale o vosso trabalho na empresa onde trabalham e estão ou não a ser valorizados.

1. O talento tem enorme dificuldade em contribuir, pois o líder próximo ou a cultura embarreram a inteligência e o desempenho superior, que a própria organização exige dos funcionários;

2. O talento não aguenta mais ver coisas erradas, que ele mesmo sinaliza, mas o líder ou a cultura ignoram, jogam para debaixo do tapete;

3. É muito enfadonho para talentos inteligentes e éticos ver o líder ou a cultura permitir a falta de ética ou incompetência de um número considerado de funcionários e demais líderes da Organização. Gente que desempenha abaixo do esperado sendo protegida por questões políticas ou de interesse pessoal;

4. O Talento inteligente e ético preza muito pela dignidade e reputação. Quando percebe que os relacionamentos dentro da Organização têm segundas intenções, que não são transparentes ou que burlam os princípios e as regras para produzir resultados a qualquer custo, o talento prefere se retirar, mesmo com um bom salário. Pois se for complacente com essa forma desregrada de atuar, de ganhos a curto prazo, sua carreira será maculada no médio e longo prazo;

5. Ótimos talentos também são demitidos. Várias e várias vezes. Culturas medianas não lidam bem com inteligência e com meritocracia. É só o Talento dar um feedback mais honesto e assertivo para o líder/cultura mediana, que ela se ofende, o vê como inimigo. Fere o seu ego, que imediatamente interpreta o Talento ético e inteligente como inimigo. O líder ou cultura mediana não sabe fazer outra coisa senão revidar ou demitir aquele que descobre suas falhas ou aquele que não se submete à sua mediocridade, ao seu ego inflamado.

6. Talentos inteligentes e éticos querem poder trabalhar com intensidade, colaboração, inovação e sentimento de propósito. Não trocam a inteligência das análises e ações estratégicas por acordos de trabalho onde se entrega menos do que pode e recebe mais do que merece. Não desrespeita princípios e regras de convivência a favor do caixa a curto prazo. Ele já constatou que é muito difícil mudar um líder ou uma cultura que quer viver de status quo, que não quer evoluir e progredir de forma ética e justa. Então, de forma elegante, ele simplesmente se retira.

Não me considero um talento inteligente, muito longe disso. Devo admitir que raramente tenho ideias inovadoras e criativas para contribuir para a inovação e evolução da loja, mas já vi umas quantas pessoas a saírem dos postos de trabalho quando tinham tanta produtividade para dar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.