Life

A Saúde Mental também faz parte da felicidade.

10 Outubro, 2016

14641902_10154977014977923_5738402646802868425_n

Dia 10 de Outubro, para uns um dia perfeitamente normal, para outros um dia de aniversário, para outros ainda nascimentos e felicitações de muitas outras espécies, mas para o calendário nacional, é pura e simplesmente o dia da Saúde Mental. Vi esta imagem ao ser partilhada no facebook da rádio RFM e achei que tinha de falar um pouco sobre isto.

Este não é um dia celebrado, nem sequer é um dia relembrado ou que faça parte das nossas agendas. Não é um Natal, uma Páscoa ou um feriado que valha a pena comemorar. É apenas mais um dia. Um dia, que tal como a causa, não tem atenção suficiente. Quando falamos de Saúde Mental, a maior reacção das pessoas é que se está a falar de algo supérfluo, que não é assim tão importante quanto isso e que as pessoas que não conseguem este dita “saúde” em pleno são pessoas que se podem dar ao luxo de pensar nisso e cujas vidas não têm preocupações mais sérias que as permitam colocar isso atrás das costas para se dedicar ao que realmente é importante. Quantos de vocês não pensaram já isto em alguma altura da vossa vida, ou já concordaram com opiniões deste género? Nada de vergonhas, até porque eu acabei por ser uma dessas pessoas. Achava eu, na minha ignorância, que apenas sofria de esgotamentos psicológicos ou típicas depressões quem tinha uma mente fraca ou considerava o assunto como uma doença de gente rica que podia passar por isso. Hoje a minha opinião mudou, e acabou por mudar por várias razões que me permitiram ver realmente e de perto todo o processo, a cura, as ajudas. Não é fácil ajudar alguém cuja saúde mental está completamente afectada e danificada, porque qualquer cura deve partir de nós próprios e nestes casos a nossa mente não nos permite isso mesmo. Algo tão simples como levantar o nosso corpo de onde estamos pode ser o processo mais desafiante de todos.Muito boa gente passa por isto, de uma maneira ou de outra, a nossa mente acaba por sofrer danos com todos os sacrifícios que lhe são impostos no dia-a-dia. A minha intenção não passa por tentar mudar a opinião do Mundo inteiro com as minhas palavras, mas talvez alertar para o facto de existirem maneiras de termos o nosso ser danificado que não se representam de forma física ou palpável. Por vezes, nada é simples e só quando passamos por isso é que conseguimos realmente entender. Ter uma mentes aberta ajuda imenso.

E tudo isto, porque neste blog também se discutem assunto de extrema importância para a humanidade, não apenas de sapatos ou maquilhagem.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.