Fashion&Style

A feira quase a preço de loja.

29 Junho, 2015

Foi mesmo no dia de ontem, que após mais um daqueles domingos passados na loja que não desejo a ninguém, parti rumo á feira de S.Pedro em Torres Vedras. A ideia principal era única e exclusivamente andar no carrosel “Canguru”, até porque já não o fazia há uns quantos aninhos, e maioritariamente por falta de companhia. Sejamos sinceros, qual é a piada de andar numa dicersão deste género sem companhia (conhecida) no banco do lado a ver a nossa cara de aflição?

E assim foi. Aquela sensação de não ter nada debaixo dos pés é a de certa maneira completamente assutadora e deliciosa ao mesmo tempo. Tudo uma questão de adrenalina penso eu. Mas depois destas aventuras, em que literalmente penso que vou voar do banco fora e de me dedicar ao petisco (caracois para o resto do pessoal, carochas para a minha Jeca), lá me aventurei nas tendas das traquinisses de malas, ténis e relógios.

Olhava para um lado, olhava para o outro e a coisa era sempre a mesma. Imitações e mais imitações e mais imitações de todas as coisas imaginárias. E só depois de umas quantas barraquinhas repletas de cópias de Air Max, de Swatch e Ralph Lauren, eis que me deparo com uma banca de malas que obtiveram completamente a minha atenção, pois na mesma, estavam em lugar de destaque, algumas das melhores imitações que já vi das Birkin’s da Hérmes e das mais variadas Célines. Ali fiquei eu parada durante os tempos a olhar para as fofinhas que já chamavam o meu nome, e mesmo depois de ganhar coragem para dar mais uns passos em frente e deixá-las para trás, não resisti e voltei para lhes dar mais uma olhadela e também para saber qual o valor daquelas maravilhas ali mesmo á frente. Pois bem, aqui é que a porca torce o rabo. É que vejam, a senhora tinha em modo de pedestal as mais bonitas, com cores e acabamentos perfeitos, dignas de levarem a dourado o nome da marca lá estampado, e mais abaixo tinha outras imitações um pouquinho mais reles, assim do género daquelas que se encontram nas lojinhas dos chineses e tal como o resto dos comerciantes Portugueses, toca de exagerar no preço e partir-me o coração. Ora bem, sem mais demoras vos digo, que as fofinhas de baixo custavam a módica quantia de 25€ e as lindonas em cima das quais eu já não desgrudava se pudesse, custavam algo como 150€. Acho que aqui o meu coração falhou um batimento cardíaco, mas a justificação da senhora era por serem realmente de pele e por isso um valor tão elevado, mas para quem tem um namurado super astuto como o meu, essa coisa do “ah é de pele verdadeira” não pega se não for mesmo verdade, e deixem-me dizer-vos (segundo ele) que não era de todo.

Agora a minha questão é quantas pessoas é que caíram naquela tramoia, ou se a senhora vendeu sequer alguma (e se vendeu não foi ao falido do Português), porque mais um bocado comprava as que se vendem na loja. OK, não comprava eu sei, até porque de 150€ para 7.000€ ainda vão uns euritos valentes, mas acho que preferia dar os 150€ por uma mala de outro feitio, modelo ou cor de uma loja qualquer que realmente fosse de pele e não uma imitação (nada) barata que a única coisa que tinha em pele era….exactamente nada.

Mas agora que volto a pensar novamente nesse episódio, lá que elas eram lindas e bem feitinhas, isso eram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.