Recent Posts

Era uma vez Portugal.

Era uma vez Portugal.

“Era uma vez Portugal…” Se me pedissem nos dias de hoje, para falar aos mais novos histórias da minha infância que ocorreram em espaços abertos, ao ar livre e no meio de toda a vegetação Portuguesa, confesso que as lágrimas seriam visíveis no meu rosto […]

Dramas de um lojista – As “amostrinhas”

Dramas de um lojista – As “amostrinhas”

208723015377519

De dia para dia, há cada vez mais coisas que me tiram a paciência lá na loja, o que não é de estranhar quando se passa 6 anos no mesmo espaço,  a ouvir as mesmas questões, a ver as mesmas pessoas. Sim, os clientes não são sempre os mesmos, mas a razão o que os leva a trazer os seus rabiosques até ao nosso espaço é quase sempre a mesma: ou vêm para comprar, para experimentar e questionar ou simplesmente para chatear.

Estando num espaço comercial de perfumes e cosmética, há uma pergunta que se torna constante e que sem dúvida é a que me aborrece mais e me obriga a revirar os olhos quando ninguém está a ver.

“Oh menina,  não têm amostrinhas?”

Por norma quando estas palavras saem da boca de um cliente e não são assim tão poucos a dizer isto, o meu sorriso vai de viagem para um planeta longínquo e não tem vontade nenhuma de voltar. Vamos lá por os pontos nos ís com esta histórias das amostras aos clientes. Para começar acho que isto é tudo um mau hábito que as perfumarias criaram, ninguém vai ao supermercado comprar um kg de bifes de vaca, mas quer um de amostra. E as pessoas deveriam começar a perceber que esta coisa da crise não está assim tão má, mas também não a podemos colocar para trás das costas, e achar que tudo está bem e que vão ter à disposição nas lojas todas as amostras e ofertas que estão a pensar. Minha gente, não somos nenhum fornecedor de amostras gratuitas. E deveriam começar também a pensar que não é porque compraram um batom hidratante de 5€ que têm direito a 20 amostras de perfumante e mais 15 de tratamento. A coisa não funciona assim.

Constantes são as vezes em que levamos com bocas entre dentes afirmando que nós é que ficamos com os ditos tamanhos de ensaio (termo correcto e que nunca ninguém sabe o que é,  para as amostra) e que por essa razão é que não temos para oferecer. Sim, é muito bom ouvir estas coisas enquanto lojistas que já perderam a paciência a explicar a diferença entre as 20 mil bases de temos em loja durante 3 ou 4 horas. Também temos a questão daquelas situações em que o cliente afirma que só paga as suas compras se tiver amostras (porque quando vai a uma Stradivarius comprar um par de calças também só paga se lhe oferecerem uma camisola, claramente). E claro que não podia faltar aqueles que só entram na loja para pedir as ditas amostras.

Não julgamos ninguém, mas o nosso trabalho tem de ser feito e nem sempre é fácil ter ofertas, presentes e regalias para todos os nossos clientes. A coisa tem de ser pensada e organizada para dar para todos, porque esqueçam lá a ideia de que temos um armazém repleto de materiais gratuitos há vossa disposição para vos oferecer. E não, não os temos em casa, não os oferecemos aos amigos e não, não os temos em loja.

Oferecemos o que temos, quando temos e quando pudemos, por isso se fazem favor desabituem-se lá dessa coisa de mendigar amostras como se precisassem delas para sobreviver, e já agora parem de ralhar com o coitado do lojista que apenas está ali há ordem de outros e que não faz mais porque não pode.