Recent Posts

2017

2017

Apaguei as palavras que começavam este texto mais de 3 vezes, e ainda não sei bem se estas serão as palavras que quero lançar ao Mundo sobre o meu ano de 2017, ou pelo menos as mais correctas para exprimir aquilo que realmente sinto, e […]

Luto

Luto

Luto. Toda a gente o vive, toda a gente o encontra alguma vez na vida, mas na realidade ninguém o espera, ninguém o compreende, ninguém está preparado. Eu não estou. Nunca estive. Cheguei a sonhar com a morte do meu Pai, em pesadelos, tempos antes […]

Wonderland Lisboa – O que realmente dizer?

Wonderland Lisboa – O que realmente dizer?

20171208_225953

Sou da zona da Vila Natal (Óbidos) e para quem aqui mora e não tem crianças pequenas ao seu encargo, parece que é sempre a mesma coisa, ano após ano. Entramos, vemos e saímos. Coisa de 5 minutos. Por isso este ano, quando vi todo aquele aparato na televisão sobre o Wonderland Lisboa, pensei para com os meus botões, que este ano é que ia ver uma diversão natalícia à séria.  E no dia 8 de Dezembro, lá agarrei no mais-que-tudo e em alguns amigos e rumámos direitos ao Parque Eduardo VII sempre com a expectativa bem alta.

Assim que lá chegámos, não demorámos muito a perceber que qualquer coisa ali não estava bem, e realmente não estava. Com a ideia de tudo o que aparece no anúncio de televisão, damos por nós, no meio de um corredor carregadinho de bancas de comida (onde a simpatia não reside) e outras tantas de artesanato local (que me deixaram um tanto ou quanto desapontada). Tirando isto, podíamos ver uma pista de gelo, a roda gigante e dois carroceis com capacidade para apenas 6 crianças, um cada corredor. A iluminação também não era nada por aí além, sendo que havia uma árvore um bocadinho maior, algumas estrelas no meio do relvado e luzes em redor das árvores ao longo dos corredores. E é isto. Confesso até que demorámos mais tempo há espera da nossa comida, do que propriamente a comer a mesma por estar tão queimada (por 10€ por pessoa, seria de esperar um bocadinho mais de simpatia e qualidade no serviço), e a dar a volta aos corredores.

Fiquei sem perceber na realidade o porquê de tanto alarido em relação a tudo aquilo, até porque mais depressa aconselhava a visitarem as iluminações da Avenida e do Chiado do que o Wonderland Lisboa em si, onde para além das decorações, podiam ver animações em diversas lojas, e os artistas de rua tornavam tudo um bocadinho mais mágico ainda (acreditem que haviam uns quantos a que valia a pena deixar a típica moeda ou um bocadinho mais). Preços muitos altos para os serviços em questão e pouca qualidade de oferta, sem mencionar a falta de Magia natalícia há excepção dos dois carroceis, que apesar de serem poucos, até eram engraçadinhos vá.

Começo a pensar que realmente deveria ter ficado por cá, e tentar novamente a minha sorte com a Vila Natal, uma vez que este ano até é patrocinada pela Coca-Cola, sempre se poderia esperar por algo novo, diferente e original, porque em Lisboa não valeu realmente a pena. Mas claro está, isto é só a minha opinião.