Ah e tal, o dia da Terra. Pois –‘

Hoje era um daqueles dias em que era suposto celebrar-mos o facto da natureza nos dar tantas coisas boas naturalmente e sem pedirmos nada em troca, tais como água, luz, oxigénio. Assim aquelas pequenas coisas que nos fazem mais falta do que qualquer outras.
Mas para contradizer o dia em questão, em que se devia celebrar o dia da Terra, a minha manhã foi passada exactamente assim:

Bonito não é? –‘
Parece que o senhor (cujo nome não é para aqui chamado) que podem ver nas fotos achou que era boa ideia fazer uma queimada a um descampado ao lado das casas de modo a limpar o terreno, sabe-se lá para fazer o quê. Acontece que isto se torna uma terrível ideia, quando está vento e existem casas mesmo ao lado e pessoas que por sua vez vivem nessas casas, o que torna a coisa mais perigosa e que exige um pouco mais de cuidado e alguma prevenção caso a coisa comece a correr mal.
Estava eu muito bem em casa quando vejo nuvens de fumo imensamente fortes, daquelas que parecem paredes cinzentas que nos impedem de ver para o outro lado, venho a correr para a rua e eis que me deparo com o espectaculo que podem ver nas fotos acima. E se acham que o senhor tinha tudo controlado, deixem-me já dizer-vos que o próprio acabou por deixar o local (por esta altura já eu estava lá a reclamar) para voltar minutos depois com uma enchada de modo a conseguir apagar o fogo que por sua vez já se espalhava para as vinhas no terreno ao lado, e sim, estamos a falar de dois quintais antes do meu.
Ainda tentei chamar o senhor á razão, antes de chamar os bombeiros, mas ainda fui insultada como sendo a geração que é uma tristeza, que está sempre com medo de tudo e que pensamos que somos mais inteligentes do que as outras pessoas, e inclusive que o senhor já faz isto á 70 anos e que sabe perfeitamente o que está a fazer. Deu para ver realmente.
Por acaso a coisa acabou por correr bem, até porque o vento ficou mais suave, mas vamos supor que o vento ficava ainda mais forte e continuava a soprar na direcção das casas como estava exactamente? Nisso o senhor já não pensou.
Apesar de ter acabado por correr bem, esta situação acabou por me irritar bastante, não só por ter algum receio em relação aos meus bens que estavam já ali ao lado, mas também pela naturalidade e imaturidade com que aquele dito senhor, a quem eu queria esganar o pescoço, estava a fazer tudo aquilo. Como se não fosse nada demais. Ainda cheguei a ligar para os bombeiros com receio do que pudesse acontecer ali, porque a mim não me importa que aquela criatura saiba o que está a fazer, mas sim por tudo o que estava em causa ali.
Podem brincar com muita coisa, mas com este tipo de situações em que acabam por colocar pessoas e afins em risco, desculpem, mas não contem comigo para isso.



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.